segunda-feira, 4 de junho de 2018

Os Nossos Filhos são Espíritos (5 de junho)

"As crianças não vêm com esses bem-acabados folhetos impressos que explicam minuciosamente como funcionam os aparelhos que adquirimos nas lojas. Não trazem um manual de instruções, que ensine como devemos abrir o pacote, tirar o aparelho da caixa, instalá­-lo e fazê­-lo funcionar. Também não trazem certificado de garantia, que se possa apresentar ao representante autorizado, juntamente com a nota fiscal, caso haja algum defeito de fabricação.
Dizem até que um jovem pai, que acabara de retirar mulher e filho do hospital, levou­-o de volta, para reclamar, porque ele estava com um vazamento...
Com o tempo, vamos aprendendo a resolver os pequenos problemas que surgem. E os grandes também, se e quando surgirem. Nós nos valemos da experiência dos mais velhos, geralmente uma das avós, ou ambas, tias, vizinhas e, naturalmente, dos médicos, quando a situação assim exige.(...)
Afinal, quem são nossos filhos, o que representam em nossas vidas e o que representamos nós na vida deles, além do simples relacionamento pais e filhos?
Longe de respostas mais claras e objetivas, ou, pelo menos, de hipóteses orientadoras, o que observamos, no dia­-a­-dia das lutas e alegrias da vida, é uma coletânea de clichês obsoletos, ou seja, ideias preconcebidas e cristalizadas que de tão repetidas assumiram status de verdades inquestionáveis, que vamos aceitando meio desatentos, sem procurar examiná­-las em profundidade. Por exemplo: o Marquinho “puxou” o jeito enérgico da mãe, ou  a Mónica herdou  a inteligência do pai, ou o gosto da tia pelas artes plásticas, ou, ainda, o  temperamento da avó Adelaide.
A primeira coisa a desaprender com relação às crianças é a de que elas não herdam características psicológicas, como inteligência, dotes artísticos, temperamento, bom ou mau gosto, simpatia ou  antipatia, doçura ou agressividade.
 Cada ser é único, em sua estrutura psicológica, preferências, inclinações e idiossincrasias.
Somente características físicas são  geneticamente transmissíveis: cor da pele, dos olhos, ou  dos cabelos, tendência a esta ou  àquela conformação física, predisposição a esta ou  àquela enfermidade, ou  a uma saúde mais estável, traços fisionómicos e coisas dessa ordem.
Quanto ao mais, não. Pais inteligentíssimos podem ter filhos medíocres, tanto quanto pais aparentemente pouco dotados podem ter filhos geniais. Pessoas pacíficas geram filhos turbulentos e, vice­-versa, pais desarmonizados produzem crianças excelentes, equilibradas e sensatas. 
 Qualquer um de nós poderá citar pelo menos uma dúzia de exemplos de seu conhecimento para testemunhar a exatidão dessas afirmativas. Por isso, repetimos, cada criança, cada pessoa, é única, é diferente, e embora possam ter, duas ou  mais, certas características em comum ou  muito semelhantes, cada uma delas é um universo próprio, como que individualizado. Até mesmo gémeos univitelinos, ou seja, gerados a partir do mesmo ovo, trazem, na similitude de certos traços físicos, diferenças fundamentais de temperamento e caráter que os identificam com precisão, como indivíduos perfeitamente autónomos e singulares.  Vamos logo, portanto, definir um importante aspecto: os pais produzem apenas o corpo físico dos filhos, não o espírito (ou alma) deles.
Outra coisa convém desaprender logo, para abrir  espaço  para novos conceitos, mais inteligentes, racionais e competentes acerca da vida. Esses espíritos ou almas que nos são confiados, já embalados em corpos físicos, que nós mesmos lhes proporcionamos, através do processo gerador, não são criados novinhos, sem passado e sem história! Eles já existiam antes, em algum lugar, têm uma biografia pessoal, trazem vivências e experiências aqui aportam para reviver e não para viver..
Estão, portanto, renascendo e não apenas nascendo." 
Livro "NOSSOS FILHOS SÃO ESPÍRITOS" de Hermínio C. Miranda 


"Os laços de sangue não estabelecem necessariamente os laços espirituais. O corpo procede do corpo, mas o Espírito não procede do Espírito, porque este existia antes da formação do corpo. O pai não gera o Espírito do filho: fornece-lhe apenas o envoltório corporal. Mas deve ajudar seu desenvolvimento intelectual e moral, para o fazer progredir.
Os Espíritos que se encarnam numa mesma família, sobretudo como parentes próximos, são os mais frequentemente Espíritos simpáticos, ligados por relações  anteriores, que se traduzem pela afeição durante a vida terrena. Mas pode ainda  acontecer que esses Espíritos sejam completamente estranhos uns para os outros, separados por antipatias igualmente anteriores, que se traduzem também por seu antagonismo na Terra, a fim de lhes servir de prova. Os verdadeiros laços de família não são, portanto, os da consanguinidade, mas os da simpatia e da comunhão e pensamentos, que unem os Espíritos, antes, durante e após a encarnação. Donde se segue que dois seres nascidos de pais diferentes podem ser mais irmãos pelo Espírito, do que se o fossem pelo sangue. Podem, pois, atrair-se, procurar-se, tornarem-se amigos, enquanto dois irmãos consanguíneos podem repelir-se, como vemos todos os dias. Problema moral, que só o Espiritismo podia resolver, pela pluralidade das existências." 
ESE Capa. XIV, item 8 


segunda-feira, 28 de maio de 2018

Atualidade da Revista e o Movimento Espirita em Portugal (29 de maio)

Neste ano em que se celebram os 160 anos da Revista Espirita, nada melhor que constatar a sua atualidade face ao que foi e é o percurso do Espiritismo em Portugal.

Kardec, homem de admirável envergadura moral, analisa de forma notável a divulgação da Doutrina dos Espíritos, contributos dos partidários e adversários à época, que cruzamos com os dias de hoje.

Para quem já afirma conhecer bem a Doutrina, por ter passado os olhos pela codificação...a Revista Espirita é sem duvida um riquíssimo instrumento de trabalho.

Para enquadrar...
 "O periódico, com a função de divulgação da doutrina espírita, foi lançado por Allan Kardec com recursos próprios, em 1 de janeiro de 1858 em Paris, com o nome de Revue Spirite. Tinha como subtítulo "Journal D'Études Psychologiques", uma vez que igualmente eram  publicados estudos sobre aspectos da psicologia humana. O seu primeiro número presentava 36 páginas. Kardec foi o diretor da revista até ao seu falecimento, em 31 de março de 1869. Ele utilizava a revista para o desenvolvimento e debate de ideias que seriam, muitas delas,  após consolidadas, transferidas para os livros da Codificação Espírita. Após o falecimento de Kardec a revista passou a ser dirigida por Pierre-Gaëtan Leymarie e depois pelos seus sucessores.

Antecedentes Em Portugal
"A génese do movimento espírita no país remonta a reuniões familiares de experimentação e a livros e revistas adquiridos por portugueses com contatos com a França desde a segunda metade do século XIX.
As primeiras edições dos primeiros livros da Codificação Espírita de Allan Kardec vieram a público em Portugal em 1882, como parte da "Biblioteca Ilustrada de Estudos Psichológicos", lançada pela Tipografia Modesto & C., na Calçada do Tijolo nº 39, em Lisboa.
No ano de 1896 já existiam associações nas cidades de Lisboa, Porto, Coimbra e Braga, e nas regiões do Alentejo e do Algarve. O primeiro periódico a circular no país foi a "Revista Espírita do Porto", editada naquela cidade entre 1896 e 1910, ano da Implantação da República Portuguesa."  
https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Federação_Espírita_Portuguesa

"O Espiritismo vem, no tempo assinalado, cumprir a promessa do Cristo: o Espírito da Verdade preside ao seu estabelecimento. Ele chama os homens à observância da lei; ensina todas as coisas, fazendo compreender o que o Cristo só disse em parábolas. O Cristo disse: “que ouçam os que têm ouvidos para ouvir”. O Espiritismo vem abrir os olhos e os ouvidos, porque ele fala sem figuras e alegorias. Levanta o véu propositalmente lançado sobre certos mistérios, e vem, por fim, trazer uma suprema consolação aos deserdados da Terra e a todos os que sofrem, ao dar uma causa justa e um objetivo útil a todas as dores.
Disse o Cristo: “Bem-aventurados os aflitos, porque eles serão consolados”. Mas como se pode ser feliz por sofrer, se não se sabe por que se sofre? O Espiritismo revela que a causa
está nas existências anteriores e na própria destinação da Terra, onde o homem expia o seu passado. Revela também o objetivo, mostrando que os sofrimentos são como crises salutares que levam à cura, são a purificação que assegura a felicidade nas existências futuras. O homem compreende que mereceu sofrer, e acha justo o sofrimento. Sabe que esse sofrimento auxilia o seu adiantamento, e o aceita sem queixas, como o trabalhador aceita o serviço que lhe assegura o salário. O Espiritismo lhe dá uma fé inabalável no futuro, e a dúvida pungente não tem mais lugar na sua alma. Fazendo-o ver as coisas do alto, a importância das vicissitudes terrenas se perde no vasto e esplêndido horizonte que ele abarca, e a perspectiva da felicidade que o espera lhe dá a paciência, a resignação e a coragem, para ir até o fim do caminho.
Assim realiza o Espiritismo o que Jesus disse do consolador prometido: conhecimento das coisas, que faz o homem saber de onde vem, para onde vai e porque está na Terra, lembrança dos verdadeiros princípios da lei de Deus, e consolação pela fé e pela esperança."
ESE. Cap. VI, item 4






quinta-feira, 24 de maio de 2018

No Encontro Espírita no Alentejo teremos...

Vindos no norte, do centro e do sul...o Encontro é no Alentejo. Porque a verdadeira Reunião Espírita acontece sempre que se juntam companheiros com vontade de partilhar e de aprender.
É momento ainda de dar a conhecer o trabalho de autores espíritas portugueses (ou quase portugueses😆) que com afinco e dedicação têm vindo a contribuir para a divulgação da Doutrina Espirita e que irão palestrar neste Encontro.

Glaucia Lima, médica psiquiatra 


Jorge Gomes, jornalista


José Lucas, militar


E HÁ MAIS...por isso,

INSCREVA-SE EM https://goo.gl/ZWvPPu

Caso tenha alguma dúvida, entre em contacto connosco através do e-mail: aespiritaevora@gmail.com 

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Encontro Espírita no Alentejo 2018 - PROGRAMA



INSCREVA-SE EM https://goo.gl/ZWvPPu

Caso tenha alguma dúvida, entre em contacto connosco através do e-mail: aespiritaevora@gmail.com 

Quês e porquês de um espirita (22 de maio)

E porque ser espírita não é apenas frequentar um Centro Espírita, ser simpatizante da Doutrina ou crer na vida para além da morte, uma vez mais dedicamos uma noite de explanação ao que é o Espiritismo, para melhor compreendermos a mais valia que ele nos traz.

"Não há fé inquebrável senão aquela que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da humanidade."
ESE (Evangelho Segundo o Espiritismo)

"As ciências psicológicas facultam a compreensão dos conflitos humanos e dos transtornos que se ampliam com altos índices de depressão, de loucura, de desvios de comportamento...(...)
Sob outro aspecto, porém, os valores ético-morais, imprescindíveis ao equilíbrio mente-corpo, demonstram que a evolução espiritual tem sido menos ampla do que aquela de natureza intelectual.(...)
Simultaneamente, o espectro da fome, da miséria sob diferentes aspectos, a drogadição, a volúpia do prazer exacerbado, como se a função do corpo fosse direcionada apenas para o gozo, as fugas espetaculares para os vícios de toda ordem e a violência perversa dominam as criaturas que, aturdidas, não sabem qual rumo a seguir.
Valiosos estudiosos do comportamento e da economia apelam para o comedimento, para a liberdade responsável, enquanto outros, que se encontram alucinados, proclamam a necessidade da liberação do aborto, da eutanásia, da discriminação da maconha e de outras substâncias alucinógenas com excessiva liberdade para os seus usuários, sem a preocupação de educá-los preventivamente ou de tratá-los após o
tombo nas suas armadilhas soezes.
Mulheres e homens infelizes proclamam a excelência do suicídio ante os insucessos, as doenças incuráveis, os problemas afligentes, as situações embaraçosas, exteriorizando os tormentos que os caracterizam e que desejam transformar em condutas normais...
Uma onda de desespero cresce no mundo ante expectativas dolorosas em relação às culturas religiosas do Oriente assim como as do Ocidente e vice-versa, ao mesmo tempo, em um período em que os direitos humanos são proclamados e reconhecidos, o fanatismo de diversas condutas e o radicalismo ameaçam a paz entre os povos dominados pelas paixões primitivas disfarçadas de civilização...
Há, em toda parte, a busca desenfreada por algo que complete o ser, facultando-lhe as fugas terríveis para os esportes radicais, para as experiências aberrantes, para as condutas extravagantes, para a formação de tribos e de clãs agressivos que facilitam a vigência do ódio e da crueldade, em uma época em que os mesmos já deveriam ter sido substituídos pela compreensão, pela fraternidade, pela compaixão...
Infelizmente, não tem havido lugar na sociedade imediatista para o amor e a paz, para os ideais de enobrecimento e de solidariedade que não encontram espaço na grande mídia, conforme desfrutam a sexolatria, os crimes hediondos e as futilidades rotuladas de condutas ideais. A família, desagregada, cede lugar a um grupamento de pessoas vinculadas pela consanguinidade e separadas pelos sentimentos de amizade e de dever, facultando os desvios para os sites e blogs da convivência virtual que facilitam o intercâmbio doentio e cruel, com psicopatas e atormentados, que se ocultam atrás da tela dos computadores, assim como de outros instrumentos de comunicação do mesmo gênero...
Em consequência, a deserção moral é volumosa e profundamente lamentável, permitindo todos os tipos de condutas desastradas com graves prejuízos para o indivíduo em si mesmo e para a sociedade em geral.
Há abundância de conforto e de diversões para alguns e escassez absoluta de quase tudo para a maioria das criaturas terrestres. São inevitáveis as interrogações: Que se fazer ante tantos paradoxos? Como se viver corretamente sem alienação? Existe alguma diretriz para o encontro com o equilíbrio e a harmonia interior?
A resposta é simples e talvez contundente: A diretriz e a conduta a se vivenciar podem ser enunciadas no conceito: evitar-se o mal ou dele libertar-se, caso já se lhe encontre instalado.
Pensando na grande problemática referida acima em alguns dos seus mais graves aspectos elaboramos, ao longo dos últimos meses, estudos espíritas (...), convidando os interessados à conquista da paz, da saúde e da alegria de viver, à luta pela própria felicidade.
Baseando-nos nas vigorosas lições de Jesus e nas sábias diretrizes do Espiritismo, procuramos atualizar os seus conteúdos em linguagem própria para estes dias, oferecendo sugestões oportunas e fáceis para a conquista da harmonia pessoal e para a cooperação com as demais pessoas.(...)
Tudo quanto anotamos já tem sido apresentado por estudiosos sérios e interessados nos comportamentos felizes, assim como por sociólogos e psicólogos, religiosos e cidadãos afeiçoados ao Bem.
O nosso trabalho encontra-se, porém, enraizado nos textos do Evangelho de Jesus e nas seguras orientações que os Espíritos trouxeram ao mundo desde o dia do surgimento de O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, a 18 de abril de 1857 e as obras que foram publicadas depois pelo insigne codificador.
São o resultado da nossa própria experiência, assim como da experiência de milhões de indivíduos que optaram pelo Bem em luta incessante para a libertação do mal, que ainda vige no íntimo de todos os seres humanos, como herança doentia do processo grandioso da evolução antropológica e psicológica através das
sucessivas reencarnações.
Com este modesto contributo, esperamos cooperar com as pessoas sinceras e afeiçoadas ao amor e à verdade, a fim de que não desanimem nunca no afã da edificação e da vivência do amor, conforme o Mestre de Nazaré nos ensinou, em todas e quaisquer situações em que se encontre.
...E o amor solucionará todos os problemas, por mais intrincados se apresentem."
"Liberta-te do Mal" de Joanna de Ângelis, psicografia de DivaldoFranco

"Hoje, que o movimento espírita avançou bastante, vede com que rapidez as ideias de justiça e de renovação, contidas nos ditados dos Espíritos, são aceitas pela metade das pessoas inteligentes. É que essas ideias correspondem ao que há de divino em vós. É que estais preparados por uma semeadura fecunda: a do último século, que implantou na sociedade as grandes ideias de progresso. E como tudo se encadeia, sob as ordens do Altíssimo, todas as lições recebidas e assimiladas resultarão nessa mudança universal do amor ao próximo. Graças a ela, os Espíritos encarnados, melhor julgando e melhor sentindo, dar-se-ão as mãos até os confins do vosso planeta. Todos se reunirão, para entender-se e amar-se, destruindo todas as injustiças, todas as causas de desentendimento entre os povos.
Grande pensamento de renovação pelo Espiritismo tão bem exposto em O Livro dos Espíritos, tu produzirás o grande milagre do século futuro, o da reunião de todos os interesses materiais e espirituais dos homens, pela aplicação desta máxima bem compreendida: Amai muito, para serdes amados!" E. S. E. Cap.
XI, item 10 da Lei de Amor


segunda-feira, 14 de maio de 2018

Mediunidade no Centro Espirita (15 de maio)


"Médium é todo aquele que sente, num grau qualquer, a influência dos Espíritos é, por esse facto, médium. Essa faculdade é inerente ao homem; não constitui, portanto, um privilégio exclusivo. Por isso mesmo, raras são as pessoas que dela não possuam alguns rudimentos.” (O Livro dos Médiuns, cap. 14, item 159.)
“Médium: pessoa que pode servir de intermediário entre os Espíritos e os homens.” (Obra citada, cap. 32.)

O Espiritismo será a doutrina que pelo seu tríplice aspeto (cientifico, filosófico e moral) melhor nos esclarece e orienta, não apenas no que diz respeito à mediunidade mas nas mais diversas questões que nos surgem. 

Porém, quando o individuo experimenta uma serie de acontecimentos que não sabe explicar, que lhe trazem desconforto, por vezes até dor, precisa de respostas, de ajuda. No Centro Espírita, poderá compreender o que se passa consigo, como vivenciar essa faculdade, o que fazer.
Como a mediunidade é faculdade inerente ao homem e o Espiritismo é conhecimento, compreenderá que esse conhecimento é libertador, e, que tudo faz sentido dentro das Leis da Natureza, que são as Leis de Deus. Que será necessário trabalho, mas que esse trabalho deve acontecer antes demais dentro de cada um, reformando pensamentos e sentimento, modificando atitudes. Aprenderemos que tudo é uma questão de sintonia, e que quem quer viver bem, tem que pensar bem e sentir da mesma forma, ou seja, reeducarmo-nos.
O Espiritismo é simples, sem dogmas, sem rituais. É importante estudar a codificação, questionar, raciocinar, para compreender.
"Não há fé inquebrável senão aquela que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da humanidade"
Evangelho Seg o Espiritismo

Mediunidade educada e deseducada
Mediunidade dentro ou fora do Centro Espirita
Condição das reuniões mediunicas
...
são alguns dos aspetos sobre os quais vamos refletir esta terça feira, dia 15 de maio.

domingo, 13 de maio de 2018

ENCONTRO ESPÍRITA NO ALENTEJO 2018

"O Espiritismo é uma ciência que trata da natureza, origem e destino dos Espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal."
(Allan Kardec, O que é o Espiritismo, Preâmbulo)

Na nossa condição de espíritos, sabemos que a vida continua. Verdade trazida por Jesus e compreendida em toda a sua dimensão através desta doutrina dos espíritos. 

A Vida continua...Vale a pena viver!

Este ano, o Encontro Espirita no Alentejo terá novamente lugar em Évora. Será um dia rico em partilhas, momentos de convívio e culturais mas principalmente contaremos com a apresentação de temas extremamente pertinentes que vão do suicídio, obsessão,..., à sublime imortalidade, sempre à luz da Doutrina Espirita.

Espiritismo é Conhecimento, já que a Vida continua... vale a pena Conhecer!

Em breve divulgaremos O PROGRAMA.

INSCREVA-SE  https://goo.gl/ZWvPPu

Caso tenha alguma dúvida, entre em contacto connosco através do e-mail: aespiritaevora@gmail.com